Você sabe o que é endometriose?

Se pudesse ser definida em poucas palavras, a endometriose poderia ser classificada enquanto uma condição na qual o endométrio, que nada mais é do que a mucosa que serve de revestimento para a parede interna do útero, cresce em outras regiões do corpo.

Embora seja normalmente identificada nas mulheres que se incluem na faixa etária compreendida entre os 25 e os 35 anos de idade, a endometriose também pode ser observada nas adolescentes que iniciam seus ciclos menstruais no período que antecede a casa dos 20 anos.

O que endometriose tem a ver com infertilidade?

Estatísticas recentes apontam que, entre as mulheres inférteis, cerca de 50% delas tem na endometriose uma das principais causas de seus problemas. Não bastasse, a recíproca também é verdadeira. Isto é, de todas as mulheres que sofrem com a endometriose, 50% delas são caracterizadas por serem inférteis.

Saiba quais são os tipos de endometriose

De maneira similar perante o que se dá com outras doenças de similar configuração, a endometriose também se apresenta como um mal capaz de se diferenciar em várias categorias. Conheça as principais delas:

  • Endometriose superficial;
  • Endometriose ovariana;
  • Endometriose profunda;
  • Endometriose pulmonar;
  • Endometriose de parede.

Conheça os diferentes fatores de risco da doença

No que diz respeito aos fatores de risco capazes de serem responsáveis pelo desenvolvimento da endometriose, os principais deles são representados pelos ciclos menstruais frequentes e pelas relativas anormalidades percebidas no útero.

Por fim, os simples fatos de a mulher nunca ter tido filhos ou ter iniciado seu ciclo menstrual de maneira absolutamente precoce também podem ser capazes de desencadear essa importante doença. Por último, questões técnicas e orgânicas ligadas ao hímen perfurado, problema que pode impedir a passagem do sangue da menstruação, também podem ser classificadas como destacados fatores de risco da endometriose.

Para saber mais detalhes a respeito da doença, agende uma consulta com um especialista clicando aqui!

 

 

 

Facebook Comments

Posts Relacionados

Deixe o seu comentário